Visualizações de página do mês passado

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

II FESTIVAL DA PALAVRA - Poesia em trânsito - programa

II FESTIVAL DA PALAVRA

01 e 02/12, quinta e sexta. UNESP Assis.

Nesta segunda edição, o festival reúne artistas, poetas, pensadores e amantes das letras para encontros em torno do tema “Poesia em Trânsito”. Idealização Mario Sergio Vasconcelos e Fernanda de Almeida Prado. Realização SESC Bauru, Faculdade de Ciências e Letras de Assis/Universidade Estadual Paulista (UNESP), Secretaria do Estado da Cultura, Oficinas Culturais do Estado de São Paulo/Organização Poiesis Social de Cultura.

 Programa

Abertura do Festival
01, quinta, 14h. Salão de Atos.
Com Ivan Esperança Rocha (Diretor da UNESP - Assis), Mario Sergio Vasconcelos  (UNESP- Assis ), Fernanda de Almeida Prado (Chama Poética) e  Mônica Machado (SESC Bauru)

Minha Pátria, Minha Língua - sarau
01, quinta, 14h30. Salão de Atos.
Com participação do poeta, ensaísta, tradutor e jornalista Antônio Lázaro de Almeida Prado, do cantor e violonista Lula Barbosa e do poeta e tradutor amazonense Thiago de Mello.

Minha Pátria, Minha Língua - espetáculo Chama Poética
01, quinta, 16h. Salão de Atos.
Uma mistura de poesia e música para tratar da profunda relação afetiva que estabelecemos com nossa língua, que nos aproxima e nos provoca um sentimento de irmandade com vários países lusófonos. Com os músicos Lula Barbosa e Maria Eugenia; leitura de poemas com Fernanda de Almeida Prado, Alexande Mello; os poetas convidados Antônio Lázaro de Almeida Prado e Thiago de Mello e direção de Fernanda de Almeida Prado.

Caleidoscópio poético
02, sexta, 9h. Salão de Atos.
A imagem do caleidoscópio ilustra este encontro que reúne, em linguagens diversas, vários olhares para a poesia. Júlio António Aponto Te e Daniel Tasso Djú (Guiné Bissau) apresentam a poesia africana em ‘D’África Poesia’.  O fotógrafo Kiko Rosely conversa sobre a exposição fotográfica “Click x Tempo’ e lança oficialmente seu blog de fotografia ‘Click & Golpe no Tempo’. ‘Vento Sul, Face Palavras’ é a projeção de fotos e poemas  realizada por Joaquim Araújo.

Sarau Livre
02, sexta, 10h. Salão de Atos.
Leitura de textos e poemas  com poetas convidados e poetas da casa em que o público é convidado a participar. Com Aguinaldo Gonçalves, Antônio Lázaro de Almeida Prado, José Luiz Félix, Luiz Amaral, Renato Suttana, Sandra Aparecida Ferreira, Susanna Busato, Jeane Mari Sant'Ana Spera, Márcio Roberto Pereira e Thiago de Mello.

Continentes: África e Xingu
02, sexta, 15h. Salão de Atos.O artista plástico Élon Brasil e o poeta e tradutor amazonense Thiago de Mello dividem com o público, imagens, poesias e conversas.

Histórias de Macunaíma
02, sexta, 16h. Salão de Atos.O projeto Chama Poética apresenta um roteiro poético musical que conversa com o clássico romance de Mario de Andrade. A história é um mergulho em nossas raízes e na formação de nossa cultura. Com Dirce Couto, Élio Camalle, Gabriel de Almeida Prado e Fernanda de Almeida Prado.

MÚSICA

Noite Paulistana
01, quinta, 20h. Salão de Atos.
O show traz clássicos de grandes nomes da MPB, como Cartola, Ataulfo Alves, Nelson Cavaquinho, José Domingos, Pixinguinha, Paulo Vanzolini, Bororó, Sergio Bitencourt dentre outros. Com José Domingos (voz e violão), Aluisio Pontes (piano) e Sergio Gabriel (saxofone).

Som do Meio Dia
02, sexta, 12h. Palco do Restaurante Universitário.
Show de lançamento do CD ‘Revoada’, do cantor e compositor André Mello.

Solo para Palavras e Sanfona de Brinquedo
02, sexta, 14h. Salão de Atos.
O espetáculo musical, concebido e interpretado pelo poeta e ator Emmanuel Marinho, é uma forma de brincar com as palavras e com o que elas oferecem de música e teatro. Com momentos de humor sutil e outros de puro lirismo, o espetáculo revela um poeta que canta sua terra com um olhar a favor do mundo.

Músicas e Poesias em Trânsito
02, sexta, 20h. Espaço Buracanã.
Série de apresentações que misturam música e poesia.
 
Poetas malditos
20h
Os poetas contrários às regras sociais, que vivem as paixões até as últimas conseqüências, considerados inovadores e ousados, dão o ponto de partida deste espetáculo. Poemas e músicas apresentam a obra de Baudelaire, Torquatro Neto,   Paulo Leminski, Hilda Hilst, Alice Ruiz , Al Berto entre outros. Com Priscila Lavorato e Aluizio Pontes.

Sons Negros
20h45
Com o grupo ‘A Quatro Vozes’. O repertório de música brasileira tem o som dos tambores ancestrais, a espontaneidade do povo das pequenas cidades e a maturidade das coisas simples e eternas, como uma canção de ninar.

Música Impopular Brasileiro
21h30
No show, ZI interpreta as canções de seu primeiro CD, ‘M.I.B’, além de versões para músicas de Itamar Assumpção, Tom Zé, entre outros. Com Brau Mendonça (violão), Daniel Kid (baixo) e Bebê do Goes (percussão).

Cadê?
22h30
Élio Camalle, Gabriel de Almeida Prado, Márcio Menezes e Pedro Marcondes.
Formação – composições de Elio Camalle e Gabriel De Almeida Prado
Estilo – MPB – música contemporânea – poemas músicados

Pindorama
23h30
O Grupo Poema Novo, propõe uma mescla de teatro, música e artes visuais, em um repertório dedicada à música popular brasileira, world music, música latina e às composições próprias. Com Neide Nell (voz), Alexande Mello (voz), Carla Lopes (percussão), Alexandre Navarro (percussão), Anderson Cabral (violão), Adriano Nogueira (violão) e Fernando (baixo).

 Missinários do Blues
24h
A banda Missionários do Blues foi criada em setembro de 1997, com o objetivo de participar do projeto “Músicos em Grupo” da USP. A idéia agradou e o grupo continuou na estrada após o evento, graças a iniciativa de Henry Blues Boy (gaitista) e Danilo Veríssimo (ex-guitarrista).
Inspirados pelos grandes bluesmen do Delta do Mississipi, de Chicago e New Orleans, os Missionários do Blues vêm disseminando a palavra sagrada do blues há mais de dez anos pela noite afora, tocando em palcos de Ribeirão Preto e outras cidades do interior paulista.
Os Missionários pregam a alegria e o alto astral em suas apresentações, interpretando um repertório recheado com o melhor do blues, soul e rhythm’n’blues, além de clássicos. do rock e
 composições próprias.
ARTES
Exposição Na Terra de Macunaíma01 a 10/12, horário. Saguão.

A exposição Na Terra de Macunaíma, realizada pelo Sesc Araraquara com material do acervo do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB), da USP, mostrou o nascimento da obra-marco da literatura modernista, Macunaíma – o Herói sem Nenhum Caráter, de 1928, escrita por Mário de Andrade. A partir do cenário em que ela foi produzida, a Chácara de Sapucaia, em Araraquara – doada à Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) –, da seleção do material do IEB e da Biblioteca Pública, cartas de Mário de Andrade enviadas a intelectuais brasileiros – como os poetas Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira e o folclorista Luís da Câmara Cascudo –, e de registros das pesquisas feitas pelo escritor sobre lendas brasileiras, o evento buscou reproduzir o ambiente que originou Macunaíma. Nas vitrines o exemplar de “Vom Roraima zum Orinoco” estava em destaque como a principal obra de pesquisa.

A Curadoria de : Audálio Dantas e Fernando Granato
Cenografia: Jefferson Duarte e Yara Candotti


Click x Tempo
01 a 10/12, horário. Espaço Cultural.
Exposição individual do fotógrafo Kiko Rosely.

CINEMA

Horários – os filmes estarão à disposição dos aluno durante o Festival – nos intervalos sem outras programações

Só Dez por Cento é Mentira: a desbiografia oficial de Manoel de Barros
Pedro Cezar | Brasil 2008| 78 min L
Saguão do prédio 1.
O documentário faz um mergulho na biografia inventada e nos fantásticos versos do poeta sul-mato-grossense Manoel de Barros. Um painel revelador da linguagem do poeta, considerado o mais inovador em língua portuguesa, é construído por meio de entrevistas inéditas do escritor, versos de sua obra e depoimento de "leitores contagiados" por sua literatura. 

Palavra (Em)cantada
Helena Solberg | Brasil 2009| 84 min L
Saguão do prédio 1.
Ao reunir depoimentos, poemas e canções, o documentário percorre uma viagem na história do cancioneiro brasileiro com um olhar especial para a relação entre poesia e música. Dos poetas provençais ao rap, do carnaval de rua aos poetas do morro, da bossa nova ao tropicalismo, passeia pela música brasileira até os dias de hoje, costurando depoimentos de grandes nomes da nossa cultura.

sábado, 12 de novembro de 2011

Poesia em Trânsito - II Festival da Palavra - UNESP Assis

 Nos dias 1 e 2 de dezembro de 2011 a UNESP de Assis realizará o II Festival da Palavra / Poesia em Trânsito, com a idelização de Mario Sergio Vasconcelos e Fernanda de Almeida Prado. Com parceria com o SESC/SP de Bauru e das Oficinas culturais (Poiesis)

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

UNESP - Assis- II Festival da Palavra - Poesia em trânsito

Faculdade de Ciências e Letras de Assis




A atual Faculdade de Ciências e Letras-UNESP, câmpus de Assis, teve sua origem em 1956, com a aprovação, pela Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo, do Projeto de Lei do então Deputado José Santilli Sobrinho. Em fevereiro de 1957 foi promulgada a Lei Estadual 3826, que criou a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Assis – Instituto Isolado de Ensino Superior, cuja inauguração deu-se em 16 de agosto de 1958.
Com o objetivo inicial de formar pesquisadores para atuarem no Ensino Público, antigos cursos Ginasial e Colegial, numa região à época carente de profissionais portadores de curso superior, e também visando formar pesquisadores e profissionais para o ensino superior, o Instituto Isolado foi instalado em março de 1959 e reconhecido pelo Decreto Federal 45.263/59.
Em janeiro de 1976, pela Lei 975, cria-se a Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, UNESP, que congregou todos os antigos Institutos Isolados do Estado de São Paulo. A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Assis, pois, enquanto Instituto Isolado de Ensino Superior, perde personalidade jurídica de autarquia e passa a integrar a UNESP como Instituto de Letras, História e Psicologia de Assis (ILHPA). Posteriormente, passa a denominar-se Faculdade de Ciências e Letras de Assis (FCL-Assis).



Hoje, a FCL-Assis oferece cinco cursos de graduação (Letras, História, Psicologia, Ciências Biológicas e Biotecnologia) e programas de pós-graduação nas áreas de Letras (Mestrado e Doutorado), História (Mestrado e Doutorado) e Psicologia (Mestrado).

Idealizadores II Festival da Palavra- Poesia em trânsito - UNESP de Assis




Mario Sergio Vasconcelos

Diretor da UNESP de Assis
Nasceu em Rancharia/SP, em 1956 • Graduação em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista – UNESP/Assis (1978) • Mestrado em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP (1985) • Doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo – USP/SP (1995) • Pós-doutorado em Processos Cognitivos pela Universidade de Barcelona – ESPANHA (2003) • Professor Livre-docente em Psicologia do Desenvolvimento pela Universidade Estadual Paulista – UNESP/Assis (2007)
• Vice-presidente da Sociedade Brasileira de Psicologia do Desenvolvimento (SBPD-2006/2008
• Diretor da Faculdade de Ciências e Letras de Assis/UNESP (2007/2011)
• Poeta,  músico e compositor




Fernanda de Almeida Prado

 • Psicóloga Psicanalista Produtora Cultural
 • Membro do Conselho Administrativo da Poiesis.
  • Graduação em Psicologia pela Universidade Estadual Paulista – UNESP/Assis(1980)  • Especialização em Psicanálise pelo Instituto Sedes Sapientae. • Atende em consultório particular e atua também como Produtora Cultural. • Idealizadora do projeto 'Chama Poética" que acontece mensalmente na Casa das Rosas Espaço Haroldo de Campos de Poesia e Literatura.




   http://sarauchamapoetica.blogspot.com/

  http://festivaldapalavra.blogspot.com/
  
    http://ciclodaschamas.blogspot.com/

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

ANTÔNIO LÁZARO DE ALMEIDA PRADO

ANTÔNIO LÁZARO DE ALMEIDA PRADO

 Nasceu em Piracicaba (cidade do interior do estado de São Paulo- Brasil), em outubro de 1925. Poeta, ensaísta, tradutor e jornalista, é Doutor e Livre-Docente em Língua e Literatura Italiana pela Universidade de São Paulo, onde lecionou de 1953 a 1958. Transferiu-se para a UNESP (campus de Assis, onde fundou o Curso de Letras), aposentando-se em 1982. É Professor Emérito da Faculdade de Ciências e Letras, e ali, depois de Titular Fundador da Cadeira de Língua e Literatura Italiana, passou a Titular de Teoria Literária e Literatura Comparada. Entre as teses publicadas, destaca: "O Acordo Impossível, Ensaio sobre a forma interna e a forma externa na obra de Cesare Pavese" e "Itinerário Poético de Salvatore Quasimodo". Dentre as suas traduções cita-se a obra de Giambattista Vico, publicada pela coleção Os Pensadores da Editora Abril,de Francesco de Sanctis (Ensaios Críticos) e de Giuseppe Ungaretti (Invenção da Poesia Moderna). Em poesia,  publicou o livro "Ciclo das Chamas"  publicado pela Ateliê-Editorial, os livros Arte Poética para passarinhos, Verso e reverso e Lúcido sonho pela editora Olavobras. Em 2008 representou o Brasil no 14° Festival de Poesia de Gênova. Realizou durante alguns anos as Noites de Música e Poesia na UNESP de Assis de onde sua filha, Fernanda M.B. de Almeida Prado recriou o projeto Chama Poética.


E-mail: professorprado.prado@gmail.com

http://antologiamomentoliterocultural.blogspot.com/2010/04/antonio-lazaro-de-almeida-prado.html

Poesia: http://ciclodaschamas.blogspot.com/

Crítica: http://www.tirodeletra.com.br/folhetim/PerfilAlmeidaPrado.htm

http://revistacontemporartes.blogspot.com/2010/04/o-poeta-antonio

THIAGO DE MELLO



                                                 THIAGO  DE  MELLO

Amadeu Thiago de Mello nasceu na cidade de Barreirinha, no Amazonas, em 30 de março de 1926. Depois de fazer sua escolarização inicial em Manaus, foi para o Rio de Janeiro, onde veio a ingressar na Faculdade de Medicina, tendo desistido do curso no 4° ano. Viveu longos anos de exílio no Chile, onde permaneceu até a queda de Allende. É membro da Academia Amazonense de Letras e mora, há anos, em sua cidade natal, em casa projetada pelo arquiteto Lucio Costa. Vasta é a obra de Thiago de Mello, que acaba de receber bonita homenagem, realizada em 19 de abril de 2006, na Câmara dos Deputados, em Brasília, em comemoração aos seus 80 anos. Muitos de seus livros foram traduzidos no Chile, em Cuba, na Argentina, em Portugal, nos Estados Unidos, na França, na Alemanha e na Inglaterra, entre outros países. Thiago de Mello é tradutor de Pablo Neruda, T.S. Eliot e Ernesto Cardenal, entre outros e sua obra também está apresentada em discos, alguns com locução do autor, como Poesias de Thiago de Mello (1963), Mormaço na Floresta ( 1986), Os Estatutos do Homem e Poemas Inéditos ( 1992) e A criação do mundo (2006).
 Entre os livros de poesia publicados poderiam ser destacados: Silêncio e Palavra  (1951), Narciso Cego (1952), Vento Geral (reunião dos livros anteriores e mais três inéditos: Tenebrosa Acqua, O Andarilho e a Manhã e Ponderações que faz o defunto aos que lhe fazem o velório - 1960), Faz Escuro mas Eu Canto ( com 1ª edição em 1965 e muitas reedições),A Canção do Amor Armado ( 1ª edição em 1966), Os Estatutos do Homem (com desenhos de Aldemir Martins, 1ª edição em 1977), Horóscopo para os que Estão Vivos ( 1ª edição em 1966), Mormaço na Floresta ( 1ª edição em 1981), De uma vez por todas (1ª edição 1996 Prêmio Jabuti 1997) e Os Estatutos do Homem, em edição de luxo trazida a público pela Valer em 1999. Publicou também, vários livros em prosa , como Borges na Luz de Borges ( 1993) e  Amazonas, Pátria da Água. Em 2011 a editora global publicou o livro Poetas da América de Canto Castelhano com seleção, tradução e notas de Thiago de Mello.
--

Élon Brasil




Élon Brasil



Artista plástico autodidata nasceu em 1957, na praia de Jurujuba, em Niterói – RJ, onde aos seis anos de idade começou a rabiscar seus primeiros crayons. Sua obra figurativa e abstrata é composta por imagens da terra: índios, negros e caboclos, cercados por texturas e cores marcantes. Mestiço, mistura de africano com europeu, Élon Brasil faz de sua história e origem a fonte de sua inspiração. Sua temática busca ressaltar e preservar a cultura brasileira e suas próprias raízes.


Exposições mais recentes:

·         2007 – Montreaux International Artists Exhibition (Montreaux, Suíça)
·         2008 – Luroa Art Galley (Las Palmas, Espanha)
·         2008- “Tropics: A Contemporary view of Brazil, Cuba and Haiti”- Dept of Cultural Affairs & Los Angeles Municipal Art Gallery (Los Angeles, Califórnia, EUA)
·         2009 – Maison Latin-America Monte Carlo – Principado de Monaco
·         2009 – Instituto Cultural Braciccarte – Las Palmas - Espanha
·         2009 – Manhatanville College Art show – Quinta Pitanga Collection – (New York, EUA)
·         2010 – Espaço Cultural Chateaux Lafoux – Turves - França



Acervos:

  • Museum der Kulturen Basel (Basiléia, Suíça)
  • Museu do Banco do Estado de São Paulo (São Paulo, Brasil)
  • MIS – Museu da Imagem e do Som (São Paulo, Brasil)
  • Museu de Arte de Londrina (Londrina, Paraná, Brasil)
  • Museu da Pinacoteca do Estado (São Paulo, Brasil)
  • Museu do MAC (São Paulo, Brasil)

_____________________________________________________________________________

Fotos de Thiago de Mello em São Paulo - lançamento livro - 2011





terça-feira, 8 de novembro de 2011

Kiko Roselli

"OLHARES"


Exposição fotográfica de KIKO ROSELLI




Francisco Roselli Neto, o Kiko, nasceu em São Paulo e  mudou-se para Assis, interior do Estado, ainda criança. Iniciou os estudos universitários nos cursos de Direito,  Tradução e Intérprete, mas não chegou a concluí-los.
Trabalhou como repórter foto jornalista nos principais jornais de Assis e também como freelancer do Estadão e da Folha de São Paulo. Fundou com Carlos Roberto Silo, o  Jornal Rural, na década de 80.
Kiko Roselli é casado e pai de dois filhos.




http://kikoroseli.blogspot.com/
--

Grupo Poema Novo



O Grupo Poema Novo formou-se no início de 2008. Seus integrantes, que já trabalhavam com música individualmente,  decidiram se juntar a partir de um convite do Sarau Lítero Musical Chama Poética para uma apresentação Temática onde o mote seria o lançamento do livro do Poeta Thiago de Mello, Amazônia Pátria das Águas. Deste convite surgiu o interesse na pesquisa do repertório musical com intervenções poéticas, onde cada texto dialogasse com as músicas apresentadas e construísse desta forma o clima ideal para a audição e vivência da canção e sua poesia.
Formado pelos cantores Neide Nell , Xande Mello e a percussionista Carla Lopes o grupo vem se aperfeiçoando nestes dois anos de apresentações e mergulho nas canções e poemas, e conta com a harmonia dos novos integrantes; os violonistas Anderson Cabral e Adriano Nogueira, além do ritmo do percussionista ALexandre Navarro e do peso do Baixista Fernando
Correia.
Com essa formação o Poema Novo tem se apresentado em diversos Saraus na cidade de São Paulo, entre eles O Chama Poética , na Casa das Rosas e Museu da Lingua Portuguesa, no CEU Alvarenga onde abriu o Show do cantor e compositor Arnaldo Antunes, além de apresentações em casas de show  da cidade, como O Lua Nova Arte e Bar no tradicional bairro do bixiga.
Poema Novo
 destaca-se por utilizar em suas apresentações recursos oriundos  da integração artística das expressões teatrais, musicais e visuais, além de mostrar no palco uma pesquisa de repertório dedicada à música popular brasileira, world music , música latina e composições próprias.
A apresentação do grupo permite entrar em contato com a beleza da poesia, do repertório costurado de quadras e versos que  procura universalizar  o regional de todos os territórios e culturas estudados para o show.

Maria Eugenia



Cantora há 26 anos, com seis discos gravados .
Participou de shows com a Jazz Sinfônica de S.Paulo e com a Orquestra Sinfônica de Tatuí, além
dos próprios Shows, apresentados por quase todo o País.
Vocalista e arregimentadora.
Ministrou cursos de técnica de gravação de voz em estúdio, pelo SESC  Dr. Vila Nova/SP.
Locutora formada pelo SENAC  em  fevereiro de 2002, já apresentou dois programas de TV.
No primeiro, pelo canal de S.Paulo – TVA,  entrevistava profissionais da área de saúde e estética
No segundo, pelo Canal do Boi – TV parabólica,    .
Trabalhou na TV Record, como cantora da banda do humorista Tom Cavalcante e no SBT na banda do SBT e no Programa do Ratinho.
Pela  sua trajetória, adquiriu uma versatilidade musical incomparável, que vai do popular ao lírico, com grandes bandas ou apenas voz e violão.

O ZI


O  ZI    

O cantor, compositor e violonista Ozias Stafuzza, O Zi, trabalha com música brasileira há vinte anos.            
É integrante do grupo Cantilena, com quem lançou o cd “Parceiros” em 2000, e “Lira dos batuques” em 2010,  Acompanha as cantoras Ana Lee, Aurora Maciel, o compositor Wimer Bottura, e o grupo A Quatro Vozes, tendo participado como violonista ou arranjador da gravação de seus respectivos cds. Produziu, compôs trilhas sonoras e cantou em cds institucionais na área de educação.
Lançou em 2007 o seu primeiro cd solo ,  intitulado ”M.I.B. , Música Impopular Brasileira”, selecionando 15 de suas composições, e uma do poeta Antonio Lázaro .Almeida Prado.
Nele, passeou por ritmos brasileiros e universais, do carimbó ao mambo, da balada pop à toada mineira, ciranda, samba de raiz, entre outros. A música título, o manifesto que dá nome ao cd, é uma crítica à música brasileira como produto consumível e descartável e reflete sobre a inversão de valores, como manifestações populares folclóricas, fadadas a desaparecer, e a música fabricada pelas gravadoras multinacionais para ser a “música popular”.
Composições suas, novas e antigas, entre sambas, ciranda, seresta, toadas, vêm juntar-se a músicas incidentais de Tom Zé , Jorge Benjor e Itamar Assumpção 

Sérgio Gabriel


Iniciou seus estudos em Uberlândia, MG, no ano de 1988 no conservatório estadual Cora Pavan Caparelli.
Começou a atuar profissionalmente em 1990.
Em outubro de 1993, fez uma apresentação junto ao saxofonista do Quinteto 11:30, Derico Sciotti, em Limeira.
Em março de 1994, iniciou seus estudos no Curso de Música Popular da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), já concluído no ano de 1996.
Sua melhor atuação, até então, foi em 29 de abril de 1994, quando fez uma participação especial no programa Jô Soares 11:30, no SBT, onde atuou junto ao grupo do programa, o renomado Quinteto 11:30, sendo convidado posteriormente para várias apresentações em diferentes lugares.
Trabalhou também como saxofonista da banda Lual, de Campinas, que entre seus principais shows constam: abertura do show do cantor Julian Marley, filho de Bob Marley, na Boate Pacha Brasil, em Campinas.
Ainda com a Banda Lual, participou de 2 shows de abertura no Ginasio da Unicamp: um para o grupo Paralamas do Sucesso e outro para a cantora Daniela Mercury.
Entre os trabalhos de maior destaque, constam: outra apresentação com o Quinteto 11:30, do programa Jô Soares 11:30, a convite do maestro Osmar, pianista do quinteto, durante evento promovido pela Associação Comercial e Industrial de Limeira, que comemorou o dia da Empresa Limeirense, realizado em outubro de 94.
Atuou ainda como saxofonista convidado pelo Grupo Bons Tempos durante turnê do Show Ari, o Brasileiro realizada no ano de 1995 no Teatro João Caetano, Rio de Janeiro, Centro de Convivência Cultural de Campinas, Teatro Municipal de Piracicaba, e ainda na abertura do Show do Grupo MPB4, realizado no teatro de arena do Centro de Convivência Cultural, Campinas.
Em 1997 participou da banda que acompanhava a dupla sertaneja, João Paulo e Daniel, em mais de 30 shows pelo Brasil.
Além destas participações, constam de seu currículo centenas de apresentações em diversos eventos, como casamentos, recepções, cocktéis, feiras, convenções, jantares de negócios, além de várias casas noturnas.
Em dezembro de 2000, concluiu seu projeto, até então, mais importante: a gravação de seu primeiro CD, com a colaboração de músicos de primeira linha, além da participação especial do Maestro e pianista Aluizio Pontes como arranjador e produtor. Cd este que contém 11 das mais belas canções italianas.
Buscando constante aperfeiçoamento, ingressou, em 2009, no curso de Música Popular do Conservatório de Tatuí, considerado um dos melhores e mais respeitados do país, com um corpo docente de primeiro nível.
Possui vastíssimo repertório passando por todos os estilos.
Atualmente continua tocando em todos os tipos de evento, sociais e corporativos.
Trabalha também como professor, ministrando aulas particulares de Saxofone e de Teoria Músical para interessados.

Joaquim Araujo

Joaquim Araujo
Fotógrafo, construiu sua primeira câmera aos 11 anos - ela não funcionou direito, mas acendeu a paixão pela fotografia... Foi desenhista, quase designer, quase economista e assistente do Estúdio Aruera de Fotografia. Fez várias exposições, Festival do Minuto, Bienais da Confoto, alguns prêmios, um livro, dois estágios em Londres e muitos trabalhos. Hoje se dedica ao ensino e à experiências fotográficas no Baobah Estúdios de Autocriação ( www.baobahestudios.com.br )

Lula Barbosa

                                         Lula Barbosa

Lula Barbosa iniciou sua carreira artística no início dos anos 70, quando formou o grupo Semente ainda garoto com apenas 15 anos. Venceu vários festivais estudantis muito em voga naquela época. Com o grupo Semente abriu shows de Isaurinha Garcia, Adoniran Barbosa e Paulinho da Viola no Sesc Interlagos. Mais tarde nos anos 80 abandonou o último ano de Publicidade e Propaganda no Instituto Metodista em São Bernardo e começou a cantar profissionalmente nos bares da noite de São Paulo, nos barzinhos, como se dizia antigamente, na época fértil da MPB e da vida noturna no bairro do Bixiga em São Paulo. Cantou durante alguns anos numa das casas mais famosas e badaladas casas da época, o Boca da Noite, na Rua Santo Antônio, no coração do Bixiga, ao lado de Filó Machado, Geraldo Cunha, Celso Miguel e outros e também no Vou Vivendo, Beleléu Chope e Arte, Gente Amiga, Pianos Bar, Barzileirinho, Violão Chopp e Cia, O Porão, e Vozes da Terra, em Santana.
Lula Barbosa compõe para diversos intérpretes da MPB; já fez músicas em parceria com Cesar Camargo Mariano, Eduardo Gudin, Thaís Andrade, Fabio Jr, Mario Lucio Marques, Filó Machado D. Pedro Casaldáglia, Abílio Herlander, Miriam Mirah, Jica, Salgadinho, Adriano Stuart, Marcos Rezende, Irineu de Palmira, Canarinho, Celso Prudente, Eduardo Neves, Joãozinho Gomes, Natan Marques, Vanderlei de Castro e Álvaro Gomes entre outros grandes letristas e poetas. Tem mais de 500 composições gravadas por nomes como Roberto Carlos, Jessé, Fábio Jr., Thobias da Vai Vai, Pierre Onásis, Altemar Dutra Jr., Emmanuel, A 4 Vozes, Olodum, Miriam Mirah, Grupo Catavento, Célia, Jane Duboc, Christian e Ralph, Jair Rodrigues, O Terço, Sérgio Reis, Tarancón, Tania Libertad (México), Pedro Fernández (México), Tito Gomez (Porto Rico), Jim Porto (Italia), Amaya Uranga (Espanha), Katinguelê, Negritude Jr., Só pra Contrariar, Peninha e muitos outros. Parceiro do poeta Antônio Lázaro de Almeida Prado, e no II Festival da Palavra apresentará show com músicas feitas em parceria com este poeta, que estará presente declamando seus poemas.

José Domingos


                                                     José Domingos


Cantor, violonista e compositor com passagem pelos melhores bares com música ao vivo de São Paulo. Em seus shows José Domingos mescla suas composições próprias, com clássicos de grandes nomes da MPB, como Cartola, Ataulfo Alves, Nelson Cavaquinho, Elton Medeiros, Vinicius de Moraes, Baden Powell, dentre outros.
Nasceu em Guaxupé (Minas Gerais), mudou-se para Avaré aos 5 anos e chegou em São Paulo em 1956, desde então vem tocando nas mais importantes casas noturnas de São Paulo, como Sambalanço, Arabesque, Aquela Rosa Amarela, La Fontaine, O III Whisky, La Boheme, Bar Confraria do Queijo e Vinho. Com o projeto Chama Poética tem se apresentado na Casa das Rosas, SESC de Bertioga, SESC de Araraquara e sua próxima apresentação será no  Festival da Palavra- Poesia em Trânsito- UNESP Assis dias 1 e 2 de dezembro de 2011.


Diamante puro e negro como a noite. Voz de trovão que entra pelo ouvido revestida de puro veludo. Não desentoa nem prá dar bom dia.
Quem ainda não ouviu Zé Domingos cantar, não conhece uma das maravilhas da noite paulistana.
E ele, conhece tudo da noite, seus mistérios e suas histórias, seus poetas e suas canções, ele é da noite, ele é a própria noite da Paulicéia Desvaiarada.
É indispensável ouvi-lo e ler seus escritos, para que se saiba dos mistérios e encantos de São Paulo.
Zé é um bem público.
Zé, deveria ser eterno.

Perboyre de Lacerda Sampaio





 
http://www.youtube.com/watch?v=O-vVGpEAeyM







Susanna Busato

Susanna Busato, paulistana (1961). Doutora em Letras (UNESP/São José do Rio Preto) e Mestre em Comunicação e Semiótica (PUC/SP). Professora de Poesia Brasileira na UNESP de SJRP. Atualmente, dedica-se ao estudo da poesia contemporânea. Prêmio Mapa Cultural Paulista, categoria Poesia, em junho de 2010. Tem poemas publicados na Revista Cult, Revista Brasileiros e nas revistas eletrônicas Zunái e Aliás, dEsEnrEdoS e ensaios na Cronópios e Gérmina, e outras revistas acadêmicas. Autora e organizadora com Sérgio Vicente Motta dos e-books Fragmentos do Contemporâneo: leituras (2009), e Figurações contemporâneas do espaço na literatura (2010), ambos da Editora Cultura Acadêmica, selo Editora da UNESP. Prefaciou dois livros de poemas, Signicidade, de Frederico Barbosa e Poesia sem Pele, de Lau Siqueira. Sua plaquete de poemas, Papel de Riscos, está para ser publicada pelo Centro Cultural São Paulo, em breve.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Maria Dirce Couto


Maria Dirce Couto
Atriz, arte educadora


Tem trabalhos em :
Televisão
  • 2009 - Minisséries “Unidos do Livramento” TV Cultura –Direção : Maucir Campanholi
  • 2006- Turma do Gueto - Rede Record – Pedro Siaretta

Cinema

  • 2005- “A casa de Alice” Roteiro e direção – Chico Teixeira - Personagem – Neide
 –Produção: Super Filmes
  • 2007 - O Marinheiro – Fernando Pessoa - Roteiro e direção Wolney de Assis e Leonardo Belo Pesronagem – 3ª Veladora - inédito Produção independente .

Teatro 
Atriz  
  • 2008 a 2009/2010  - Monólogo: Pai contra Mãe – Machado de Assis
  • 2007 - Deus lhe Pague Texto Juracy Camargo Direção: Alberto Centurião
  • 2004- “Romance do boi bonito” – adpt. do conto “Uma estória de amor de G.R –
direção: Adriana Fortes
  • 2002-  “Cone e Bastonete”  Texto: Décio Filho, Direção: Geraldo Fernandes
  • 2002 “O Marinheiro” – Texto :Fernando Pessoa, Direção Wolney  de Assis
  • 2000- O Diletante – texto Martins Pena – direção – Flávio Dias
  • 1998- Adão Eva e outros membros da Família-texto Álvaro Moreira - direção Flavio Dias
  • 1997- As paixões de Lorca – Textos de Garcia Lorca – direção Flávio Dias
  • 1996- ZYI-9 Rádio Marabá – Texto e Direção Fávio Dias

 Direção de espetáculos
·        1999 -Deus nos acuda – texto Bráulio Pedroso - Univ. São Judas 2º A
  • 2000- O Marinheiro - texto Fernando Pessoa - Univ. São Judas 3º A

Formação
·         Artes cênicas - Universidade São Judas

·         Dublagem - Estúdio Dubrasil - ministrada por Hermes Baroli e Sérgio Moreno
·         Dança afro – Museu afro brasileiro
·         Dança e consciência corporal – Estúdio Nova Dança – ministrado por Sheila Arêas

·         Preparação Corporal – “Corpo Insano” - Oficina Três Rios - ministrado por Ângela Dip

·          Contação de estórias – ministrado por Dora Guimarães

·         Treinamento para o filme A Casa de Alice – estúdio Fátima Toledo –orientação Mônica Sucupira

Apresentação Poetas Malditos - Priscila Lavorato- Aluizio Pontes

Os poetas contrários às regras sociais, desobedientes, que vivem as paixões até as ultimas conseqüências, muitas vezes de maneira autodestrutiva e marginal, estes são os "poetas malditos". Foram na grande maioria das vezes incompreendidos pelo público e sofreram ações de censura e muitas de suas obras demoraram para serem lidas e aceitas. São considerados inovadores e influentes por quebrarem paradigmas, por serem polêmicos, inusitados e ousados. Transitam na oposição entre a insanidade e a consciência, muitas vezes vivendo na boemia e no limite da vida.Este espetáculo apresenta grandes obras dos Poetas Malditos, dentre eles: Baudelaire, Hilda Hilst, Torquato Neto, Paulo Leminski, Roberto Piva, Rimbaud, Stéphane Mallarmé, Paul Verlaine, José Régio, Al Berto, Walflan de Queiroz, Edgar Allan Poe, Gregório de Matos, Augusto dos Anjos, Glauco Mattoso, Pedro Kilkerri, Florbela Espanca, Alfonsina Storni, Gilka Machado, Raissa Bonfim, Walt Whitman e Alice Ruiz.
Com uma seleção de poemas e músicas que tratam deste tema, esta apresentação quando apresentada na Casa das Rosas (2010) e foi sucesso de público e crítica.


(...) "Quero morrer com uma overdose de beleza." - Al Berto "(...)

Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que apedreja. Se a alguém causa inda pena a tua chaga, Apedreja essa mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!" Augusto dos Anjos



 Entremeados por intervenções cênico-musicais o repertório é composto por compositores e intérpretes nacionais e estrangeiros também mesmo conteúdo, como: Tom Zé, Sergio Sampaio, Serge Gainsbourg, Edith Piaf, Zeca Baleiro, Lenine, Itamar Assumpção, Renato Godá, Chico Buarque, Billy Holiday, entre outros.



Com os artistas Aluizio Pontes e Priscila Lavorato

....................................................................................................................

é preciso estar sempre bêbado,
é preciso ler Baudelaire,
é preciso colher as flores

Carlos Drummond de Andrade


EMBRIAGUEM-SE
É preciso estar sempre embriagado. Aí está: eis a única questão. Para não sentirem o fardo horrível do Tempo que verga e inclina para a terra, é preciso que se embriaguem sem descanso.

Com quê? Com vinho, poesia ou virtude, a escolher. Mas embriaguem-se.

E se, porventura, nos degraus de um palácio, sobre a relva verde de um fosso, na solidão morna do quarto, a embriaguez diminuir ou desaparecer quando você acordar, pergunte ao vento, à vaga, à estrela, ao pássaro, ao relógio, a tudo que flui, a tudo que geme, a tudo que gira, a tudo que canta, a tudo que fala, pergunte que horas são; e o vento, a vaga, a estrela, o pássaro, o relógio responderão: "É hora de embriagar-se! Para não serem os escravos martirizados do Tempo, embriaguem-se; embriaguem-se sem descanso". Com vinho, poesia ou virtude, a escolher.

Charles Baudelaire

Pindorama - Chama Poética - Poema Novo


Release – Pindorama Raízes do Brasil
O Evento lítero - musical Chama Poética - Pindorama, Raízes do Brasil e o Grupo Poema Novo utilizam esta designação pré- cabralina e tupi – guarani das terras que futuramente formariam o Brasil, para fomentar a pesquisa e a criação de textos e repertório que permeiem este universo , dando ênfase às raízes brasileiras incrustadas no sertão, à miscigenação e a grande influência de culturas estrangeiras que aqui foram absorvidas e assimiladas.
O repertório  do grupo Poema Novo conta com nove musicas (sete delas autorais), entrecortadas com textos que as inserem ao universo Pindorama – Brasil. Textos que introduzem, poeticamente, a atmosfera Brasileira de Raiz onde há a saudade, a melancolia, o humor e o amor à terra e à história que nos criou como povo culturalmente rico e miscigenado.
As variações de ritmo, melodia e letras das canções executadas nos faz  mergulhar em um Brasil, que desde Pindorama, estava fadado a ser um grande celeiro cultural, onde vários povos se encontram e dialogam. Formando um esteio fértil que encontra na expressão artística de seu povo, a árvore  multi-ramificada que oferece frutos de inúmeros sabores e formas e a mais inspiradora sombra na terra sobre as  suas raízes.
Repertório – Pindorama – Poema Novo – Chama Poética

Texto –
1 – Árvore dos Olhos –
Texto –
2 – Meninos –
3 – Bolero de Isabel –
Texto
4- Sentir –
Texto –
5 – Espelho –
Texto –
6 –  Coração do Sábia –
7 – Pindorama
8 – Fuá na Casa de Cabral
Texto
9 – 4 Cantos